Padre Jordan – Instrumento nas mãos de Deus

Neste dia 08 de agosto, 7º Dia da Novena em preparação ao Centenário da Morte/Ressurreição do Venerável Servo de Deus, Pe. Francisco Maria da Cruz Jordan traz como tema: “Padre Jordan  – Instrumento nas mãos de Deus”.  Novena que está sendo rezada todo dia 08 de cada mês nos espaços de missão salvatoriana.

08 de agosto

Venerável Servo de Deus

Pe. Francisco Maria da Cruz Jordan

Instrumento nas mãos de Deus

 

“Mantém-te em conversa espiritual com teu amado Salvador! Em atitude de humildade e de docilidade, senta-te a seus pés, e escuta atentamente suas palavras” (DE I 165,1)

 

Comentarista: vamos iniciar este momento de oração invocando a Santíssima Trindade:  Em nome do Pai, + do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Comentarista: desde muito cedo, Padre Jordan percebeu o chamado que Deus fazia para que ele fosse seu instrumento no mundo. Este chamado podemos chamar de Vocação. Deus chama e o ser humano tem a liberdade de responder sim ou não para Deus. Visitando algumas paróquias, foi possível ler um cartaz, que dizia: “Vocação acertada é futuro feliz”. O vocacionado que se identifica na vocação, será com certeza um instrumento nas mãos de Deus.

Leitor 1 (estola): no primeiro final de semana do mês de agosto, a Igreja celebra a vocação sacerdotal. Ser padre é tornar-se pai espiritual do povo de Deus. É poder doar-se por inteiro no cuidado ao povo que Deus lhe confiou. Recebamos a estola que nos remete ao ministério sacerdotal que o padre recebeu no dia da sua ordenação presbiteral.

Todos: obrigado, Senhor, pelas vocações sacerdotais.

Leitor 2 (aliança): no segundo final de semana de agosto a Igreja comemora a vocação matrimonial. Os que optam pela vocação matrimonial têm que se sentir interpelados a santificar todos os seus membros da família.

Todos: obrigado, Senhor, pela vocação matrimonial.

Leitor 3 (velas): no terceiro final de semana de agosto a Igreja comemora a Vocação Religiosa. Religioso é aquele que deixa tudo para seguir a Jesus Cristo vivendo em Comunidade, assumindo o carisma, a espiritualidade de sua respectiva  congregação, e na vivência dos três votos: pobreza, obediência e castidade. Ao acender essas três velas, recordemos os votos assumidos pelos religiosos (as) Salvatorianos e Salvatorianas que deixaram tudo, a exemplo do Pe. Jordan e Madre Maria, para servirem o povo de Deus.

Todos: obrigado, Senhor, pelas vocações à vida religiosa.

 Leitor 1 (sandálias): as sandálias também nos lembram aquelas pessoas que caminham na finalidade de anunciar a bondade e o amor de Deus. No quarto final de semana de agosto a Igreja celebra a vocação do leigo e também a vocação missionária. O leigo é chamado a ser missionário na família, no trabalho, na sociedade, na Igreja. Agradeçamos a Deus pela vocação desses nossos irmãos e irmãs que conciliam a sua vida familiar, trabalho, estudo e atividades da comunidade paroquial.

Todos: obrigado, Senhor, pelas vocações missionárias e pelos leigos.

Leitor 2: recordemos o que nos fala Padre Jordan em seu Diário Espiritual: Mantém-te em conversa espiritual com teu amado Salvador! Em atitude de humildade e de docilidade, senta-te a seus pés, e escuta atentamente suas palavras”.

 Comentarista: o ser humano, como obra criada por Deus à sua imagem e semelhança, é convidado a revelar pela sua vida a beleza de Deus. Pe. Jordan, ao fazer a sua primeira comunhão, sentiu um grande apelo de Deus de se colocar a serviço do Reino sonhado por Jesus Salvador.

Cantemos: Vocação do profeta

Antes que te formasses dentro do seio de tua mãe,/antes que tu nascestes, te conhecia e te consagrei./Para se meu profeta entre as nações eu te escolhi,/irás onde enviar-te e o que eu mando proclamarás.

Tenho que gritar, tenho que arriscar, ai de mim se não o faço. Como escapar de ti? Como calar, se tua voz arde em meu peito? Tenho que andar, tenho que lutar, ai de mim se não o faço. Como escapar de ti, como calar, se Tua voz arde em meu peito?

Não temas arriscar-te porque contigo eu estarei/não temas anunciar-me, em tua boca eu falarei/entrego-te meu povo, vai arrancar e derrubar/para edificares, destruirás e plantarás.

– Deixa os teus irmãos, deixa o teu pai e tua mãe,/deixa a tua casa, porque a terra gritando está. Nada tragas contigo, pois a teu lado eu estarei é hora de lutar porque meu povo sofrendo está.

 

ORAÇÃO INICIAL – CHAMADO E RESPOSTA (livro “Preces Salvatorianas”, oração 51, página 65)

Todos: Senhor Jesus Cristo, Salvador do mundo, em todos os tempos chamas homens e mulheres que, a exemplo dos Apóstolos, se empenham para que todos te conheçam e encontrem em ti a salvação.

Escolheste Francisco Jordan como zeloso e fiel servidor do anúncio apostólico. Pela intercessão de Maria, Mãe do Salvador e Rainha dos Apóstolos, te pedimos: como concedeste a teu servo Francisco, dá também a nós, seus filhos e filhas espirituais, uma inabalável confiança em tua amorosa Providência, zelo apostólico por teu Reino, dedicação no serviço aos irmãos e irmãs, e coragem para te seguir.

Pela intercessão de teu servo Francisco, atende nossas preces, e ajuda-nos em nossas necessidades. Amém.

Rezando com a Palavra de Deus: 1 Sm 3,1-21

Leitor 1:E o jovem Samuel servia ao SENHOR perante Eli; e a palavra do SENHOR era de muita valia naqueles dias; não havia visão manifesta.
E sucedeu, naquele dia, que, estando Eli deitado no seu lugar (e os seus olhos começavam a escurecer, pois não podia ver),
E estando também Samuel já deitado, antes que a lâmpada de Deus se apagasse no templo do Senhor, onde estava a arca de Deus,
O Senhor chamou a Samuel, e disse ele: Eis-me aqui.
E correu a Eli, e disse: Eis-me aqui, porque tu me chamaste. Mas ele disse: Não te chamei eu, torna a deitar-te. E foi e se deitou.
E o Senhor tornou a chamar outra vez a Samuel, e Samuel se levantou, e foi a Eli, e disse: Eis-me aqui, porque tu me chamaste. Mas ele disse: Não te chamei eu, filho meu, torna a deitar-te.
Porém Samuel ainda não conhecia ao Senhor, e ainda não lhe tinha sido manifestada a palavra do Senhor.
O Senhor, pois, tornou a chamar a Samuel terceira vez, e ele se levantou, e foi a Eli, e disse: Eis-me aqui, porque tu me chamaste. Então entendeu Eli que o Senhor chamava o jovem.
Por isso Eli disse a Samuel: Vai deitar-te e há de ser que, se te chamar, dirás: Fala, Senhor, porque o teu servo ouve. Então Samuel foi e se deitou no seu lugar.
Então veio o Senhor, e pôs-se ali, e chamou como das outras vezes: Samuel, Samuel. E disse Samuel: Fala, porque o teu servo ouve.
E disse o Senhor a Samuel: Eis que vou fazer uma coisa em Israel, a qual todo o que ouvir lhe tinirão ambos os ouvidos.
Naquele mesmo dia suscitarei contra Eli tudo quanto tenho falado contra a sua casa, começarei e acabarei.
Porque eu já lhe fiz saber que julgarei a sua casa para sempre, pela iniqüidade que ele bem conhecia, porque, fazendo-se os seus filhos execráveis, não os repreendeu.
Portanto, jurei à casa de Eli que nunca jamais será expiada a sua iniqüidade, nem com sacrifício, nem com oferta de alimentos.
E Samuel ficou deitado até pela manhã, e então abriu as portas da casa do Senhor; porém temia Samuel relatar esta visão a Eli.
Então chamou Eli a Samuel, e disse: Samuel, meu filho. E disse ele: Eis-me aqui.
E ele disse: Qual é a palavra que te falou? Peço-te que não ma encubras; assim Deus te faça, e outro tanto, se me encobrires alguma palavra de todas as que te falou.
Então Samuel lhe contou todas aquelas palavras, e nada lhe encobriu. E disse ele: Ele é o Senhor; faça o que bem parecer aos seus olhos.
E crescia Samuel, e o Senhor era com ele, e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra.
E todo o Israel, desde Dã até Berseba, conheceu que Samuel estava confirmado por profeta do Senhor.
E continuou o Senhor a aparecer em Siló; porquanto o Senhor se manifestava a Samuel em Siló pela palavra do Senhor.

 

(Momento de contemplação)

– Refletir o que a Palavra de Deus está nos falando hoje.

– Breve momento de partilha

 

Comentarista: recordemos alguns artigos das Constituições, Regras de Vida e Estatutos dos ramos da Família Salvatoriana.

 Leitor 2: “A exemplo do que fez com os apóstolos, Jesus nos impele a assumir uma vida de total consagração a Deus. Nossa vocação batismal nos obriga a lutar por um amor sempre mais perfeito, o qual, no nosso caso, é vivenciado na vida em comunidade, em consonância com os conselhos evangélicos e o serviço apostólico” (Constituições da Sociedade do Divino Salvador, artigo 102).

Todos: fortaleça, Senhor, os nossos Salvatorianos.

Leitor 3: a exemplo de nosso fundador, procuremos cumprir a vontade de Deus, sendo fiéis à Igreja em nossa maneira de ser e agir, e servindo aos outros com simplicidade e humildade. Assim, manifestamos ao mundo a bondade e o amor de Deus, nosso Salvador (Constituições da Sociedade do Divino Salvador, artigo 105).

Todos: fortaleça, Senhor, os nossos Salvatorianos.

Leitor 4: como Irmãs do Divino Salvador, o Pai nos chama a prolongar na história o dom particular de nossos fundadores. Esse chamado exige que, de modo radical, sigamos a Jesus, que foi casto e pobre, e que salvou o mundo por sua obediência. O Espírito Santo nos une em comunidade e nos envia a realizar o nosso objetivo apostólico como missão na Igreja (Regra de Vida da Congregação das Irmãs Salvatorianas, artigo 3).

Todos: abençoai, Senhor, a missão das nossas Irmãs Salvatorianas.

Leitor 1: Jesus, como Salvador do mundo, é o centro e a fonte da nossa vida. Dele aprendemos a viver em busca constante da glória do Pai, a exemplo de nossos fundadores. Nosso desejo de sermos totalmente dele e de colaborar em sua obra salvífica, nos impulsiona   a conhecê-lo intimamente, a amá-lo e servi-lo sem reserva (Regra de Vida da Congregação das Irmãs Salvatorianas, artigo 4).

Todos: abençoai, Senhor, a missão das nossas Irmãs Salvatorianas.

Leitor 2: como leigos/as Salvatorianos/as, respondemos ao chamado de Deus, intensificando nossa vocação cristã à santidade e à ação apostólica. Somos chamados/as a ser apóstolos/as, vivendo no mundo nossa vocação, na família, na vida profissional e num amplo contexto de vida eclesial, social e política (Estatutos da Associação do Divino Salvador, artigo 10).

Todos: continue, Senhor, conduzindo os nossos Leigos Salvatorianos.

Leitor 3: comprometemo-nos em ser apóstolos no ambiente em que vivemos, participando ativamente na vida da igreja local, particular e universal. Empenhamo-nos em intervir nos ambientes e esferas da sociedade humana que ainda requerem uma primeira evangelização ou uma reevangelização. Por princípio, utilizamo-nos de todos os modos e meios, que o amor de Cristo inspira, participando da missão na Igreja em obras próprias da Família Salvatoriana e em outras ações em favor da vida (Estatutos da Associação do Divino Salvador, artigo 13).

Comentarista: Meditações do Pe. Jordan – Acompanhemos em clima de oração as palavras do Pe. Jordan deixadas em suas alocuções.

 Leitor 1: a vocação à Vida Religiosa e ao presbiterato, que recebemos do Bom Deus, é tão sublime, que escapa à nossa compreensão (Alocuções 17 de 29/03/1895).

Antífona cantada: bendito seja Deus para sempre. Bendito, bendito, bendito seja Deus para sempre.

Leitor 4: para nós, religiosos, o dever é ainda maior. O Senhor nos chamou à vida… Se vocês não corresponderem a essa vocação, existe o grande perigo de que, mais cedo ou mais tarde, vocês sucumbam. Empenhem-se para se tornarem santos. Só assim vocês haverão de compreender que sua dignidade é divinal. Só assim haverão de compreender quão sublime é a dignidade que Deus lhes confia” (Alocuções 17 de 29/03/1895)

Antífona cantada: bendito seja Deus para sempre. Bendito, bendito, bendito seja Deus para sempre.

Leitor 2: “Por isso que quero adverti-los novamente a que, com todos os modos e meios possíveis, em conformidade com seu estado de vida e vocação, ajam, promover e colaborarem para atingirmos a sublime missão da Sociedade” (Alocuções 40 de 29/01.1897).

Antífona cantada: bendito seja Deus para sempre. Bendito, bendito, bendito seja Deus para sempre.

Rezando com a Família Salvatoriana hoje

Leitor 1: “Pe. Jordan, reconhecendo sua pequenez, diante da grandeza do Salvador, soube ser instrumento nas mãos de Deus e ajudou outros/as a fazerem o mesmo. Ele escreve em seu diário Espiritual: ‘Jesus Cristo, aceita-me como teu indigno instrumento, e dispõe de mim como te aprouver’. Deus se alegrou com sua generosidade e fez dele um ardoroso discípulo-missionário. Hoje, temos o seu legado como fonte de inspiração apostólica neste mundo que sofre e clama por salvação” (Ir. Maria Jovelina Oliveira, religiosa Salvatoriana, assistente social – Xique-Xique/BA).

Todos: somos instrumentos nas mãos de Deus.

Leitor 2: “Deus permeou a nossa história, despertando em diferentes pessoas o desejo do seguimento. Pela encarnação, Deus tornou-se um ser de relação, que tece incessantemente a vinculação com o ser humano, desejando estabelecer um encontro. Mas não é qualquer encontro, é um encontro para permanecer com Ele, por isso ele nos chama para uma missão que é pessoal. Assim com Pe. Jordan, que soube responder positivamente o seu chamado, cada um de nós somos convidados a se deixar encontrar por Jesus, permanecer com Ele e realizar a vocação que nos foi confiada. Façamos a experiência do encontro, deixemo-nos encontrar, e experimentemos a concretização humana da vocação Divina. O caminho está posto e necessita basicamente do primeiro passo” (Marciel O. de Souza, sds, pedagogo, religioso Salvatoriano – Jundiaí/SP).  

 Todos: somos instrumentos nas mãos de Deus.

 Leitor 3: “Para Padre Jordan, a participação do leigo na evangelização era fundamental. ‘Outros virão e continuarão a nossa obra’. Cento e trinta anos se passaram e a igreja católica, através do Papa e de seus bispos, lança o ‘Ano do Laicato’, como se voltasse à fonte inesgotável do Amor: ‘Vós sois o sal da terra e a luz do mundo’ (Mt 5, 13-14). Senhor, que possamos também nós, incorporarmos esta exortação de nosso Mestre Jesus, animados pelo nosso fundador, Pe. Jordan e impulsionados pelo Papa Francisco e nossos bispos em vista de nossos irmãos. E dai-nos forças, Senhor, para que possamos implantar uma nova cultura de paz, de justiça e de amor” (Dorival José Zonta, leigo do Grupo Caminheiros – de Passo Fundo/RS).

 Todos: somos instrumentos nas mãos de Deus.

Comentarista: cantemos juntos.

Venho, Senhor, minha vida oferecer.

Venho, Senhor, minha vida oferecer. Como oferta de amor e sacrifício. Quero, minha vida a ti entregar como oferta viva em Teu altar. Pois pra Te adorar foi que eu nasci. Cumpra em mim o Teu querer. Faça o que está em Teu coração/. E que a cada dia eu queira mais e mais estar ao Teu lado, Senhor. Pois pra Te adorar foi que eu nasci.

Cumpra em mim o Teu querer. Faça o que está em Teu coração. E que a cada dia eu queira mais e mais estar ao Teu lado, estar ao Teu lado, Senhor.

 

Rezando com a Igreja:

 Comentarista: o Brasil está se preparando para realizar em 2019 mais com Congresso Nacional Vocacional. Vamos rezar agora com alguns trechos do subsídio do instrumento de trabalho do 3º Congresso Nacional Vocacional, realizado em 2010 na cidade de Indaiatuba/SP.

Leitor 1: na Bíblia toda vocação é para a missão, o que pressupõe um chamado: a vocação. Do contrário, a vocação seria algo estéril, fechada em si mesma, sem comunhão e consequências em prol do Reino e de sua justiça. Também não podemos reduzir a missão a uma tarefa posterior ao chamado ou a uma simples dimensão da vocação. A missão não é um acréscimo ou extensão da vocação, mas um componente essencial quer seja ela leiga, religiosa ou sacerdotal. A missão faz parte do DNA de toda e qualquer vocação.

Todos cantam: eis-me aqui Senhor, eis-me aqui Senhor, pra fazer a Tua vontade, pra viver no Teu amor, pra fazer Tua vontade, pra viver no Teu amor! Eis-me aqui Senhor.  

Leitor 2: a vocação tem origem divina: Deus é quem toma a iniciativa e nos chama desde a sua gratuidade. O chamado é graça e o envio também. Tanto a vocação quanto a missão nunca visam o bem pessoal do vocacionado, mas de todo o povo de Deus. A verdadeira vocação e missão não são graças apenas para as pessoas escolhidas, mas para muitos conforme dizia Jesus referindo-se a sua própria vocação e missão: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar sua vida como resgate por muitos” (Mt 20,28).

 Todos cantam: eis-me aqui Senhor, eis-me aqui Senhor, pra fazer a Tua vontade, pra viver no Teu amor, pra fazer Tua vontade, pra viver no Teu amor! Eis-me aqui Senhor.

 Leitor 3: um autêntico serviço de animação vocacional é, antes de tudo, uma ação evangelizadora e genuinamente missionária. Nos evangelhos, aquele que chama é o mesmo que envia. Tal realidade confirma que vocação e missão são partes de um binômio inseparável e complementar. Ou, como diz a expressão popular: são dois lados de uma mesma moeda. Lados distintos, cada um com suas características próprias, mas partes de uma realidade inseparável onde uma pressupõe a outra (O papa Bento XVI cita a metáfora dos “dois lados da moeda” ao referir-se ao discipulado e a missão por ocasião do discurso inaugural da V Conferência. Cf. Documento de Aparecida, Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe, Paulus, São Paulo, 2007, p.274).

Todos cantam: eis-me aqui Senhor, eis-me aqui Senhor, pra fazer a Tua vontade, pra viver no Teu amor, pra fazer Tua vontade, pra viver no Teu amor! Eis-me aqui Senhor.

Leitor 4: a comunidade dos seguidores de Jesus existe para a missão e dela procede. Por isso, podemos afirmar com segurança que todas as vocações e ministérios também são de natureza missionária e se fundamentam na missão de Jesus Cristo e do Espírito Santo.

Todos cantam: eis-me aqui Senhor, eis-me aqui Senhor, pra fazer a Tua vontade, pra viver no Teu amor, pra fazer Tua vontade, pra viver no Teu amor! Eis-me aqui Senhor.  

Leitor 5: de maneira geral podemos afirmar que no Antigo Testamento Deus é o autor de todos os chamados, enquanto que no Novo Testamento esta função é reservada a Jesus. Porém, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, todos os vocacionados e vocacionadas são enviados a uma determinada missão. Não há sequer um único caso onde o tema da vocação aparece desvinculado do envio e da missão.

Todos cantam: eis-me aqui Senhor, eis-me aqui Senhor, pra fazer a Tua vontade, pra viver no Teu amor, pra fazer Tua vontade, pra viver no Teu amor! Eis-me aqui Senhor.

  • Tempo de contemplação da Palavra (instantes de silêncio)

 

Bênção de Padre Jordan 

Abençoe-vos Deus Todo Poderoso: Pai, Filho e Espírito Santo.

Ele vos santifique, confirme e multiplique como a areia do mar e como as estrelas do céu, até o fim dos tempos. Amém!

 Pai Nosso … Ave Maria… Glória ao Pai…

Outros conteúdos