5ª feira da 1ª Semana do Advento

Oração do dia

Despertai, ó Deus, o vosso poder e socorrei-nos com a vossa força, para que vossa misericórdia apresse a salvação que nossos pecados retardam. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura (Isaías 26,1-6)

Confira também Roteiros Homiléticos.

Leitura do livro do profeta Isaías.
26 Naquele tempo será cantado este cântico na terra de Judá: “Nós vimos uma cidade forte, em que se pôs por proteção muro e antemuro.
Abri as portas, deixai entrar um povo justo, que respeita a fidelidade,
que tem caráter firme e conserva a paz, porque tem confiança em vós.
Tende sempre confiança no Senhor, porque o Senhor é o rochedo perene.
Ele derrubou os que habitavam nas alturas e destruiu a cidade soberba; derrubou-a por terra e ao nível do chão a reduziu.
Ela é calcada aos pés pela plebe, sob os passos dos indigentes”.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 117/118

Bendito é aquele que vem vindo em nome do Senhor!

Daí graças ao Senhor, porque ele é bom!
“Eterna é a sua misericórdia!”
É melhor buscar refúgio no Senhor
Do que pôr no ser humano a esperança;
É melhor buscar refúgio no Senhor
do que contar com os poderosos deste mundo!”

Abri-me vós, abri-me as portas da justiça;
Quero entrar para dar graças ao Senhor!
“Sim, esta é a porta do Senhor,
Por ela só os justos entrarão”!
Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes
E vos tornastes para mim o Salvador!

“Ó Senhor, dai-nos a vossa salvação;
Ó Senhor, dai-nos também prosperidade!”
Bendito seja, em nome do Senhor,
Aquele que em seus átrios vai entrando!
Desta casa do Senhor vos bendizemos.
Que o Senhor e nosso Deus nos ilumine!

Evangelho (Mateus 7,21.24-27)

Aleluia, aleluia, aleluia.
Buscai o Senhor, vosso Deus, invocai-o enquanto está perto! (Is 55,6).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7 21 “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.
24 Aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem prudente, que edificou sua casa sobre a rocha.
25 Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela, porém, não caiu, porque estava edificada na rocha.
26 Mas aquele que ouve as minhas palavras e não as põe em prática é semelhante a um homem insensato, que construiu sua casa na areia.
27 Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela caiu e grande foi a sua ruína.
28 Quando Jesus terminou o discurso, a multidão ficou impressionada com a sua doutrina.
29 Com efeito, ele a ensinava como quem tinha autoridade e não como os seus escribas.
Palavra da Salvação.

Comentário ao Evangelho

A ADESÃO AO SENHOR

À espera do Senhor, os discípulos correm o risco de enganar-se no modo de aderir a ele. São os que expressam sua adesão com a boca – “Senhor, Senhor!” – enquanto, na realidade, vivem muito distante dele. A confissão verbal permanece no plano da teoria, sem que se perceba ressonâncias no seu dia-a-dia. Em outras palavras, a fé não se encarna em sua vida. É como se fosse um âmbito isolado, desconectado do conjunto de sua existência.
Evidentemente, este estilo de vida impossibilita a acolhida do Senhor. Quem pensa estar indo ao encontro dele, tarde demais compreenderá ter tomado o caminho errado.
A maneira correta de preparar-se para o advento do Senhor consiste em colocar em prática suas palavras, assumindo-as como projeto de vida. As palavras de Jesus estão em perfeita correspondência com a vontade do Pai, e são a expressão do desígnio divino para a humanidade. Se o discípulo se deixa guiar por elas, pode estar seguro de ter tomado o rumo certo. Ele tem o testemunho de Jesus, e sabe qual foi o desfecho da vida dele. Tendo, ele mesmo, vivido em total submissão ao querer do Pai, foi por ele ressuscitado para a plena comunhão. Igualmente o discípulo, pela prática das palavras de Jesus poderá estar certo de entrar no Reino dos céus, para a comunhão eterna com o Senhor.

(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE).

 

Outros conteúdos